Nota sobre a arte e identidade visual da terceira edição.



Na década de 60 a cidade de Juripiranga ficou conhecida como "Paraíso dos homens", título que surgiu pelo fato do trabalho na produção de vassouras e chapéus de palha de carnaúba por parte das mulheres e era a principal fonte de renda para o sustento das famílias juripiranguenses. O festival de cinema de Juripiranga faz uma referência ao movimento histórico vivenciado na cidade, daí surge a nomenclatura "Cine Paraíso".

Apesar da história em si ser um tanto quando machista, que enaltece a "boa vida" dos homens que eram sustentados por suas mulheres, sempre foi nosso cuidado pensar pelo outro lado dessa história, procuramos valorizar a força feminina, das mulheres guerreiras da nossa querida cidade. 

A Terceira Edição do Cine Paraíso - Festival de Cinema de Juripiranga terá como principal levante "A autoria feminina no cinema", propondo debates, rodas de conversas e sessões especiais abordando a participação e autoria feminina no audiovisual. 

O concento de criação da arte que compõe a identidade visual do Cine Paraíso deste ano, foi construído em torno do empoderamento feminino, destacando a força, liberdade e ao mesmo tempo leveza das mulheres (não apenas do audiovisual), mesclando com elementos da palha da carnaúba (chapéu, bolsa de palha) e elementos do audiovisual (tripé com a câmera). A presença do NU colocado no cartaz, não se trata de uma cineasta em set e não tem em nenhuma hipótese, intensão de erotizar a imagem da mulher, ou uma colocação de objeto de desejo, mas sim, de colocá-la como independente, que não se prende aos cuidados e vontade de algum homem. 

Confiamos no trabalho dos profissionais da MAD Studio que com todo respeito às mulheres de modo geral, foram responsáveis pela criação da arte e da identidade visual.